VIAGEM REALIZADA ANTES DO INÍCIO DA PANDEMIA DE CORONAVÍRUS.

O Vale dos Vinhedos é o destino ideal para quem ama vinhos de qualidade e uma boa Gastronomia. Saiba como chegar, o que visitar, onde se hospedar e as melhores vinícolas para visitar nesta incrível região do Sul do Brasil.

Onde fica e o que é o Vale dos Vinhedos?

 

O Vale dos Vinhedos é a região mais tradicional de produção de vinhos do Brasil e ocupa uma área de 82 quilômetros quadrados na Serra Gaúcha.

Apesar de relativamente ampla, a área é composta por apenas 3 municípios: Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul.

Bento Gonçalves é, sem sombra de dúvida, o mais famoso, pois é conhecido por ser a Capital do Vinho no Brasil. É, também, o maior dos três municípios, ocupando 63% da área do Vale dos Vinhedos.

 

Hotel & Spa do Vinho Autograph Collection no Vale dos Vinhedos.

 

Garibaldi, considerada a Capital Brasileira do Espumante, ocupa 30% da área total do Vale dos Vinhedos.  Já o município de Monte Belo do Sul, ocupa os restantes 7% da região.

Entretanto, independentemente do município em que estão localizadas as propriedades, é na região do Vale dos Vinhedos que estão concentradas as vinícolas mais conhecidas do Brasil, algumas de renome internacional.

Além disso, os vinhos produzidos por lá são os únicos no Brasil a receber a Denominação de Origem (aquele “D.O.” que aparece em rótulos de alguns vinhos), o que significa a excelência do terroir onde foram produzidos.

Resumidamente, a Denominação de Origem é um selo que indica a procedência dos vinhos. E as vinícolas do Vale dos Vinhedos têm a permissão de exibi-los em seus rótulos.

 

Vinícola Cave de Pedra no Vale dos Vinhedos.

 

O legado histórico e cultural do Vale dos Vinhedos

 

Maior destino de Enoturismo do país, o Vale dos Vinhedos é muito mais do que uma simples região brasileira para apreciar vinhos de excelência.

Afinal, o enorme legado histórico e cultural da região chama a atenção até para quem não é apreciador de vinhos.

Um dos grandes atrativos do Vale dos Vinhedos é, também, a sua Gastronomia, herança cultural dos imigrantes italianos que começaram a chegar a esta porção da Serra Gaúcha a partir de 1875.

 

Casa da Erva Mate nos Caminhos de Pedra - no Vale dos Vinhedos.

 

Percorrer os Caminhos de Pedra, uma das rotas gastronômicas do Vale dos Vinhedos, está entre uma das atividades mais procuradas pelos turistas que vão à região em busca deste resgate histórico.

Outra opção extremamente popular é a viagem temática de Maria Fumaça entre os municípios de Bento Gonçalves e Carlos Barbosa.

Como você vai perceber, ao longo deste post, muitos dos atrativos do Vale dos Vinhedos estão intimamente relacionados aos imigrantes que povoaram a região.

 

O que fazer no Vale dos Vinhedos?

 

Como mencionei anteriormente, o Vale dos Vinhedos é uma região muita rica em termos de turismo e que não se restringe apenas à vinícolas.

É certo que elas são o grande estímulo para visitar essa porção da Serra Gaúcha (e a razão da minha escolha), mas existem muitas outras possibilidades para todas as idades e gostos.

 

Passeio de Trem entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa - no Vale dos Vinhedos.

 

Enoturismo

 

O Vale dos Vinhedos possui duas principais rotas enoturísticas: a Via Trento e a Estrada do Vinho, ambas a partir de Bento Gonçalves.

Na Via Trento – também conhecida como Linha Leopoldina – estão localizadas algumas das vinícolas mais emblemáticas da região, como a Vinícola Salton e a Casa Valduga.

Já na Estrada do Vinho (a rodovia RS-444), encontram-se as vinícolas Miolo, Cave de Pedra e a Almaúnica.

Entretanto, o Vale dos Vinhedos  possui dezenas de vinícolas, desde as familiares até as grandes corporações.

De modo que além destas duas rotas, existem muitas outras vinícolas espalhadas pela região.

Garibaldi, por exemplo, fica a apenas 13 quilômetros de Bento Gonçalves e possui a Rota dos Espumantes.

Nos Caminhos de Pedra – em Bento Gonçalves – há, também, algumas vinícolas, como a Lovara e a Strapazzon.

Finalmente, é no centro de Bento Gonçalvez que está localizada a Vinícola Aurora, uma das mais conhecidas do país.

 

Cantina Strapazzon - Caminhos de Pedra no Vale dos Vinhedos.

 

Visitas guiadas e com degustação no Vale dos Vinhedos

 

Durante minha última estadia no Vale dos Vinhedos, tive a chance de realizar visitas guiadas com degustação em várias vinícolas.

Caso você queira informações mais completas sobre cada uma delas, existem posts específicos aqui no blog, mas neste post, farei um apanhado geral sobre as vinícolas que não podem ficar de fora do seu roteiro.

 

Vinícola Miolo no Vale dos Vinhedos.

 

Vinícola Miolo

 

Tenho que confessar um carinho especial pela Vinícola Miolo por vários motivos mas, essencialmente, o que faz a visita tão especial, na minha opinião, é a beleza de suas instalações.

Ainda que você não queira participar de uma visita guiada ou de um minicurso de degustação, conhecer a vinícola é um passeio imperdível para quem está no Vale dos Vinhedos.

A Vinícola Miolo fica em uma propriedade deslumbrante e tem um wine garden super aconchegante para passar momentos inesquecíveis apreciando aquela imensidão de parreirais.

Em minha última viagem, fiquei hospedada em frente à vinícola e foi uma das experiências de viagem mais deliciosas que já tive na vida. Valeu ca-da-cen-ta-vo!

 

 

Casa Valduga

 

Um dos principais nomes do vinho nacional, a Casa Valduga é outra vinícola que prima pela excelência de seus produtos e pela elegância de suas instalações.

Aliás, a Casa Valduga está presente no best-seller “1.000 Lugares Para Conhecer Antes de Morrer” e faz jus à menção. A propriedade, que também inclui uma pousada e um renomado restaurante, é uma graça.

 

Vinícola Salton

 

Localizada no município de Garibaldi, a Vinícola Salton é, na minha opinião, uma das mais belas propriedades da região.

Desde a entrada do complexo, já temos uma noção da grandiosidade do empreendimento, mas durante a visita, vamos ficando cada vez mais perplexos com a estrutura que foi montada para o Enoturismo.

Independentemente se você curte ou não um bom espumante, a visita guiada à vinícola é um passeio imperdível na região do Vale dos Vinhedos.

 

Vinícola Salton no Vale dos Vinhedos.

 

Vinícola Chandon

 

De todas as vinícolas que visitei na região do Vale dos Vinhedos, talvez a Chandon seja a menos “charmosa”, pois ela tem um aspecto mais industrial – em contraste com as outras vinícolas, que mesmo “grandes” mantêm aquele aspecto de propriedade mais familiar.

Entretanto, a visita é bem interessante e a degustação dos rótulos é feita sem “miserê”. O mais legal de tudo, é que não se paga pela visita com degustação – como acontece na grande maioria das vinícolas da região. Então, já é um grande atrativo para visitá-la.

 

Vinícola Chandon no Vale dos Vinhedos.

 

Quais as melhores vinícolas para visitar no Vale dos Vinhedos?

 

Veja, eu não sou uma profunda conhecedora de vinhos. Longe disso! Sou apenas uma entusiasta que adora a bebida!

De maneira que, na minha opinião,  tão importante quanto a qualidade dos vinhos em si, é a experiência que o local proporciona.

Há muitas vinícolas renomadas no Vale dos Vinhedos, como a Almaúnica, a Cave de Pedra, a Don Laurindo, entre outras.

 

Vinícola Cave de Pedra no Vale dos Vinhedos.

 

Possivelmente, haverá vinícolas que eu não mencionei e que sejam as prediletas de um grupo seleto. Contudo, esse tipo de público já vai à região em busca destes produtores específicos.

Não é focando neste público que eu escrevo pois, provavelmente, essas pessoas lerão um blog escrito por enólogos.

Daí que uma seleção de quais vinícolas você deve visitar, vai depender do seu gosto, pois parte da graça da experiência é conhecer aquelas cujos rótulos lhe sejam familiares.

Eu sou uma ávida consumidora dos vinhos da Miolo, da Chandon, da Salton e da Casa Valduga. Então, obviamente, dei prioridade a estas vinícolas.

E não fiquei nem um pouco desapontadas com as visitas guiadas. Pelo contrário, faria todas elas de novo!

 

Quando ir ao Vale dos Vinhedos?

 

O Vale dos Vinhedos pode ser visitado em qualquer época do ano, pois cada estação tem o seu charme.

Afinal, suas suaves colinas cobertas por parreirais e araucárias proporcionam uma paisagem deslumbrante em qualquer estação do ano.

Eu, particularmente, amo temperaturas mais baixas e tenho uma tendência a querer visitar destinos enoturísticos no outono ou no inverno, época em que a Serra Gaúcha apresenta um clima bem “europeu”.

Entretanto, o período da vindima – quando acontece a colheita das uvas – costuma ser uma época bem atraente. Principalmente, para quem não gosta de passar frio.

De modo que o período de janeiro a março é o ideal para quem quer ver as parreiras carregadas de frutos maduros e para quem quer vivenciar as atividades da estação da colheita.

Além disso, muitas vinícolas e restaurantes também oferecem uma programação especial nesta época. O único problema é que esse é um período de alta temporada no Vale dos Vinhedos e, aliado às férias escolares e feriados do início do ano, tornam a visita à região mais concorrida e cara.

 

Como ir para o Vale dos Vinhedos?

 

Para você ter uma ideia de localização, Bento Gonçalves fica a cerca de 125 quilômetros de Porto Alegre e a 120 quilômetros de Gramado .

A melhor maneira de acessar o Vale dos Vinhedos – independentemente do seu ponto de partida – é de carro, pois ele será muito útil para seus deslocamentos na região.

 

 

Algumas pessoas optam por chegar a Bento Gonçalves de ônibus e contratar um serviço de motorista de dia inteiro para poder degustar à vontade nas vinícolas.

É muito comum, ainda, que pessoas que estejam hospedadas em Gramado façam um bate e volta a Bento Gonçalves a fim de fazer o passeio no Trem Maria Fumaça ou para visitar alguma vinícola.

Eu, particularmente, acho muito cansativo fazer o bate e volta. Já experimentei duas vezes e achei que gastar cerca de 2 horas e 30 minutos em cada trecho – pois a estrada é cheia de curvas e morosa – é um sacrifício desnecessário.

Ademais, se o deslocamento for só para conhecer uma vinícola, não faz sentido. A Vitivinícola Jolimont – em Canela – cumpre todos os requisitos e você gastará (no máximo) 2 horas do seu dia, incluindo os deslocamentos e a visita guiada, se você estiver em Gramado.

 

Quantos dias é o ideal no Vale dos Vinhedos?

 

Honestamente, acho que o ideal é ficar, pelo menos, quatro ou cinco dias no Vale dos Vinhedos porque há muitas possibilidades de turismo e se você quiser desfrutar com calma das atrações, gastará várias horas do seu dia.

Acho que um planejamento bem legal – ainda que enxuto – é organizar, no máximo, duas vinícolas por período do dia.

Além disso, é preciso considerar que se você for fazer os Caminhos de Pedra, deverá reservar um dia inteiro para a rota. E, mesmo assim, vai ser corrido!

A Estrada do Sabor – outra rota deliciosa! – também tomará um período do seu dia.

E, finalmente, o passeio de Maria Fumaça entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa também tomará metade de um dia seu.

Em suma, se você quiser aproveitar bastante coisa em pouco tempo, terá que chegar já com tudo agendado e precisará acordar cedo, pois a grande maioria das atrações é diurna.

 

Onde ficar no Vale dos Vinhedos: no centro ou perto das vinícolas?

 

O Vale dos Vinhedos é uma região bem ampla, mas a maioria dos turistas costuma ficar em Bento Gonçalves ou em Garibaldi.

Eu optei por Bento Gonçalves pois julguei que os deslocamentos seriam mais fáceis de acordo com as vinícolas que eu havia escolhido visitar.

Dividi a minha estadia em dois momentos distintos, sendo a primeira parte no centro da cidade e a segunda, em um hotel boutique.

 

Hotel Dall’ Onder Vittoria Bento Gonçalves

 

A primeira parte da hospedagem foi no Hotel Dall’ Onder Vittoria Bento Gonçalves  – um quatro estrelas que fica a apenas duas quadras do centro da cidade e a apenas 300 metros da Vinícola Aurora.

Gostei muito da escolha, não só pela localização, mas pela ótimo relação custo/benefício. Um charme especial do hotel: eu e meu marido fomos recepcionados com uma taça de espumante Salton e havia um delicioso chá de laranja  disponível o dia inteiro na recepção do hotel.

 

Hotel & Spa do Vinho Autograph Collection

 

Ficar duas noites no Spa do Vinho foi a extravagância da viagem. O cinco estrelas localizado em frente aos parreirais da Vinícola Miolo tem um visual ao fim do dia de tirar o fôlego e que, por si só, já vale o valor pago na diária.

Entretanto, o hotel oferece muitos outros mimos, dignos de um estabelecimento desse porte. Entre as delícias do hotel, estão o maravilhoso café da manhã e o happy hour de frente para os vinhedos. Uma estadia, realmente, inesquecível!

 

 

Reserve seu hotel no Vale dos Vinhedos com o Turista FullTime

 

Aliás, se você estiver planejando uma viagem ao Vale dos Vinhedos, que tal fazer sua reserva aqui pelo blog?

Quando você usa um dos banners ou links do Booking.com aqui do Turista FullTime, você paga o mesmo valor aplicado pelo site parceiro e pode reservar sua hospedagem de forma segura e confiável, sem pagar taxa extra alguma pelo serviço.

Assim, você contribui para a manutenção deste blog, já que ele não conta com patrocínios ou artigos pagos.

 

Onde comer no Vale dos Vinhedos?

 

Escolher onde comer bem não é uma tarefa difícil em Bento Gonçalves e região. Há ótimas opções de bons restaurantes, seja na parte central das cidades ou nas rotas mais afastadas dos centros.

De modo que resolvi compilar aqui apenas os estabelecimentos que tive a chance de conferir. Honestamente, em todos eles eu tive boas experiências e achei o serviço condizente com o valor cobrado.

 

Osteria della Colombina

 

Na minha opinião, um dos restaurantes mais emblemáticos do Vale dos vinhedos. Familiar e encantador, ele é comandado pela chef e proprietária Odete Bettú Lazzari e que funciona no antigo porão da propriedade.

Com um menu fixo delicioso e servido pelos membros da família, o almoço é uma experiência bem concorrida, pois só funciona aos sábados e domingos e só recebe no máximo 50 clientes por dia.

Convém fazer reserva e chegar na hora combinada, pois a refeição é servida para todos os clientes em uma sequência.

 

 

  • Endereço:  Linha São Jorge em Garibaldi (também conhecida como Estrada do Sabor).
  • Funcionamento: Aos sábados e domingos.
  • Contato: (54) 3464-7755

 

Vallontano Risoteria e Café

 

O charmoso café e restaurante faz parte do complexo da Vinícola Vallontano e oferece risotos divinos! Eu optei por um risoto de Copa com Gorgonzola e figos turcos, que harmonizei com um espumante Rosé Brut. Estou aqui salivando só de lembrar!

O ambiente é super acolhedor e o atendimento é impecável. No local, também funciona uma loja de varejo de vinhos.

 

 

  • Endereço: Estrada do Vinho (RS-444 Km 16) – Bento Gonçalves
  • Funcionamento: De terça a domingo das 11:00 às 17:00
  • Contato: (54) 3459-1006

 

Mamma Gema

 

Uma tradicional cantina italiana, que funciona para almoço em sistema de rodízio de massas a preço fixo.

Uma opção excelente para combinar com uma visita à Vinícola Miolo, pois as duas propriedades ficam bem próximas.

Endereço:  Estrada do Vinho (RS-444 Km 18) – Bento Gonçalves

Funcionamento: De terça a sexta das 11:30 às 15:00/ sábados e domingos das 11:30 às 16:00

Contato: (54) 3459-1392

 

Wine Garden da Vinícola Miolo

 

Um lindo jardim que convida a passar momentos descontraídos antes ou após uma visita à Vinícola Miolo.

Com várias instalações que vão desde espreguiçadeiras até toalhas espalhadas sobre a grama, é só escolher um cantinho pra chamar de seu e aproveitar para fazer um piquenique à base de queijos e frios acompanhados de uma boa taça de um dos vinhos da Miolo.

Eu acho o lugar, simplesmente, irresistível! Única tristeza: só funciona nos fins de semana. Então, se você visitar a vinícola nos outros dias, não terá como conferir a agradável experiência.

 

 

  • Endereço: Estrada do Vinho (RS-444 Km 21) – Bento Gonçalves
  • Funcionamento: Sábados e domingos das 10:30 às 19:00
  • Contato: (54) 2102-1500

 

Leopoldina Jardim

 

Criada a partir da restauração de uma linda casa centenária, o Leopoldina Jardim é uma charmosa cafeteria – e que também serve lanches variados  e sorvetes artesanais.

O estabelecimento fica bem próximo à Casa Valduga  e é um lugar perfeito para curtir momentos ao ar livre, rodeado de uma paisagem deslumbrante.

Único inconveniente do lugar: devido à grande procura, nos finais de semana, paga-se uma taxa de R$15,00 por pessoa para poder desfrutar do ambiente.

 

 

  • Endereço: Via Trento, 2915 – Bento Gonçalves
  • Funcionamento: Todos os dias das 12:30 às 18:00
  • Contato: (54) 3453-3633

 

Ristorante del Pomodoro

 

Uma das atrações dos Caminhos de Pedra, a cantina foi construída nos moldes dos antigos galpões em que os imigrantes italianos se instalavam, ao chegar à região.

Os pratos servidos são todos à base de tomate, o que torna a experiência bem interessante.

É, ainda uma opção  bem prática e vantajosa – especialmente para quem é bom de garfo – pois funciona em sistema de rodízio com preço fixo.

 

 

  • Endereço: Caminhos de Pedra – Bento Gonçalves
  • Funcionamento: Todos os dias das 11:30 às 17:00
  • Contato: (54) 3455-0243

 

Brazedo

 

Uma ótima Steakhouse, com atendimento impecável, pratos bem servidos e preço justo.

  • Endereço: Rua Olavo Bilac, 337 – Centro – Bento Gonçalves
  • Funcionamento: Segunda-feira das 11:30 às 14:00/terça a domingo das 19:00 às 22:30
  • Contato: (54) 99691-7654

 

A acomodação perfeita para a sua viagem, você encontra aqui:

Compre seus ingressos em Português e sem complicação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: