Bari pode não ser um nome tão conhecido para os viajantes ocasionais,. Porém, esta cidade italiana consta da rota de muitos cruzeiros e pode ser uma agradável surpresa em uma visita de algumas horas.

Um pouquinho do que é a cidade…

Bari é a principal cidade da Puglia, a província mais desenvolvida da Costa Adriática e um dos centros mais ativos do sul da Itália. É, também, o principal centro para a economia da região inteira, sendo a segunda maior cidade em número de habitantes.

A cidade é dividida em duas partes: a moderna (que não tive a oportunidade de conhecer) e a antiga. A segunda é mais interessante para o turismo, pois abriga importantes monumentos medievais.

Passei pela cidade duas vezes, em paradas de cruzeiros de algumas horas, mas não tive muita chance para explorar, de fato, o lugar. Ainda assim, foi possível ter uma boa impressão.

Na primeira visita, fiz uma exploração mais turística. Na segunda vez, procurei aproveitar a cidade como um “local” faria, em um dia lindo de sol. Você já pode imaginar aonde eu fui parar, né?

Bari em algumas horas: o que fazer?

Primeira visita: MSC Musica/agosto de 2011

O desembarque para quem queria visitar a cidade começou ao meio-dia. Tarde, para quem quer explorar com calma. Porém, esse tipo de situação foge do controle do passageiro. Meus filhos nem cogitaram a ideia de descer do navio,. Eu e meu marido não gostamos de perder a chance de ver o que há “em terra firme”. Portanto, fomos explorar o local.

Havia várias excursões oferecidas pela MSC. Resolvemos não pegar nenhuma delas e explorar a cidade (ou pelo menos a região onde estávamos) por nossa conta.

Não foi uma escolha muito acertada. Apesar de ser uma segunda-feira, vários estabelecimentos comerciais estavam fechados. Aliás, fechar as portas entre 13:00 e 16:30 é comum em algumas cidades italianas..

Em pleno centro de Bari, as únicas exceções eram as grandes lojas, como Zara, H&M e GuessBem, até que não fiquei chateada, pois comprei “umas coisinhas” nesta última. 

Enfim, não pude ter uma opinião mais abrangente sobre Bari, pois vi muito pouco da cidade.

Segunda visita: MSC Preziosa/julho de 2014

Na primeira vez, não pude fazer muita coisa e era uma segunda-feira. Nesta segunda parada, a visita caiu em um domingo e com um agravante: o tempo de permanência na cidade era bem curto. Chegamos às 10:00 e deveríamos estar de volta ao navio às 14:30.

Resolvi, então, não arriscar fazendo planos elaborados. Simplesmente coloquei minha roupa de corrida e fui percorrer alguns quilômetros ao ar livre.

Foi a melhor opção. Saí do porto já direto em uma área boa, com um calçadão bem decente. Fui margeando a região do porto, depois a orla, até alcançar uma pequena praia.

Verão na Itália: lógico que estava forrada de locais,. Foi bem gostoso parar, repor as energias e reidratar.

Acabou sendo uma excelente pedida. Era uma praia gostosa e tranquila (apesar de lotada). E tudo era mega barato. Paguei €1,00 por uma garrafinha de água mineral com direito a sentar, apreciar a paisagem e tomar banho de mar. Custo baixíssimo para curtir um pouco da cidade como alguém que já a conhece como a palma da mão. Sortudo de quem vive lá!

Quem gosta de correr longas distâncias, vai achar que o percurso é muito curto. Entre ida e volta, são cerca de 7 quilômetros. Porém, é o suficiente para sentir o astral do lugar e, de quebra, eliminar um pouco dos excessos da vida em alto-mar!

  Vale a pena pegar uma excursão do navio?

Claro que há, também, excursões oferecidas pelo navio. Ficar sem ter o que fazer não acontece em um cruzeiro. A menos que esse seja o desejo do passageiro. Eu, particularmente, gosto de intercalar turismo com esporte e lazer. Para isso, Bari foi a conta certa.

Agora, se você preferir pegar uma excursão para conhecer melhor os pontos turísticos, a MSC, por exemplo, oferece várias opções. Uma delas é a visita a Alberobello – uma cidadezinha tombada como patrimônio histórico pela UNESCO. Famosa, também, por conta das casas com telhados cônicos que existem por lá.

Você pode, também, fazer um city tour por Bari com direito a conhecer a Basílica de São Nicolau, construída no século XI.

Uma coisa é certa: faça a sua lição de casa. Tenha em mente o que você quer visitar em cada porto, antes mesmo de embarcar. As paradas de dia inteiro são uma raridade e sempre há mais do que uma boa opção. É necessário abrir mão de alguma coisa para poder aproveitar outra. Ainda assim, acho que a flexibilidade de estar a cada dia em um lugar diferente compensa ter que fazer escolhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *