Sem Comentários
Quando você pensa em casa na Holanda, o que vem à sua mente? As lindas casinhas estreitas de três andares que povoam os canais de Amsterdã? As casas-barco que compõem o restante do cenário? Talvez um moinho desativado ou mesmo em funcionamento? Uma casa cercada por um lindo gramado? São muitas as possibilidades… Agora, confesse: você imaginaria uma casa em formato de cubo e posicionada sobre uma base hexagonal? E que ela não seria a única, mas que faria parte de uma vila bem no meio do centro frenético de Roterdã? 

Pois bem, se isso nunca fez parte de suas ideias mais mirabolantes, acredite: um arquiteto visionário não só pensou nisso, como projetou… e construiu.

Casas-cubo (foto:Regina Oki)

A proposta do holandês Piet Blom, concebida nos anos 1970 e colocada em prática nos anos 1980, era construir 55 casas em formato de cubos inclinados a 45 graus, apoiados cada qual sobre uma plataforma hexagonal, de maneira que cada cubo representasse uma árvore e que, juntos, formassem uma floresta integrada ao complexo urbano que já existia.

Da ideia original, foram construídas 51 unidades, sendo que 38 delas foram planejadas para funcionar como residências. E atraíram tanto a atenção do público em geral, que um dos proprietários resolveu abrir a sua casa à visitação pública. E hoje, qualquer pessoa que pague um ingresso de €3,00 (valores de fevereiro/2016) pode conferir como é “morar em um cubículo”… literalmente!

E engana-se quem pensa (como dá a impressão olhando-as pelo lado de fora) que elas são minúsculas. Na verdade, é possível morar tranquilamente em uma delas. Cada casa contém 3 andares.

​No primeiro, estão localizadas a sala de estar e uma cozinha aberta…

(foto: Regina Oki)

No segundo andar, dois quartos e um banheiro…

(foto: Regina Oki)

No último andar, um espaço que pode ser usado como um solarium ou um pequeno jardim de inverno, já que luz natural é o que não falta…

(foto: Regina Oki)

Dá até para receber, confortavelmente, os amigos…

Olha a cara de alegria da guria… minha querida companheira nesta visita! (foto: Regina Oki)

As casas têm 100m2 de área total, mas cerca de 25% do espaço não pode ser aproveitado por conta da angulação dos telhados. Ainda assim, é uma moradia muito charmosa e futurística!

Como chegar?

Chegar até lá é muito simples. Elas estão localizadas bem em cima da estação Rotterdam Blaak. É possível chegar até lá de trem, tram (bonde), ônibus ou metrô. Tudo dependerá do seu ponto de partida.

Para turistas saindo de Amsterdã, há trens diretos a cada meia hora. Se o seu ponto de partida é Haia (Den Haag Central ou Den Haag HS), também há opções de trens diretos. Confira toda a tabela de horários de trens no site oficial.

Para quem já está em Roterdã, as linhas 32 ou 49 de ônibus e a linha 1 de tram são as melhores opções.

Como visitar?

(foto: Regina Oki)

A casa aberta à visitação funciona todos os dias, sempre de 11:00 às 17:00. Não há rampas de acesso ou elevador. Portanto, uma visita para pessoas com mobilidade reduzida pode ser inviável. Agora, se você não tem nenhum impedimento para visitar, já aproveita e compra seu ingresso por aqui, com meu parceiro GetYourGuide. O site é super seguro, confiável e, de quebra, você ainda contribui para a manutenção do Turista FullTime.

Como aproveitar ao máximo sua visita?

As casas-cubo encontram-se bem em frente ao grande centro gastronômico Markthal (inaugurado em outubro de 2014). Ali, locais e turistas encontram tudo para uma refeição rápida ou para preparar uma receita caprichada em casa.

É uma excelente ideia combinar os dois passeios. Eu já estive lá algumas vezes e gosto bastante do local. É possível achar ingredientes de vários países, incluindo legumes, frutas e verduras frescos. Há uma grande variedade de laticínios, de carnes e seus derivados, também.

A visita à casa-cubo é bem rapidinha. Mesmo que você goste de prestar atenção nos detalhes, o tour completo vai durar cerca de 15 a 20 minutos. Então, o ideal é combinar com alguma outra atividade, para fazer o deslocamento valer a pena.

Markthal (foto: Regina Oki)

Acho muito interessante ir à Roterdã, que é considerada a cidade mais moderna da Holanda. De fato, percorrer as ruas do centro e a parte portuária, faz com que o visitante desavisado esqueça que está na Terra dos Tamancos. É uma outra proposta, que pode ser tão interessante quanto à tradicional que atrai turistas do mundo todo.

Com esta vista linda de Roterdã que você terá lá do topo! (foto: Regina Oki)

 Aliás, se você estiver com o dia todo livre, de repente vale a pena combinar o passeio com uma visita à Euromast, uma torre gigantesca que oferece uma visão 360 graus da cidade de Roterdã!

Categorias: Holanda

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *