O Museu Casa de Rui Barbosa, localizado no bairro de Botafogo, oferece uma visita tranquila e nostálgica, em um dos pontos mais efervescentes do Rio de Janeiro . Saiba todos os detalhes para visitar o primeiro museu-casa público do Brasil.

O Rio de Janeiro, famoso mundialmente por suas belezas naturais e o Carnaval, tem muito mais História para contar do que imaginamos. 

História essa que se divide e se desenrola por muitas épocas, seja qual for o período da sua preferência. 

Se você, como eu, é fã do período em que a família real portuguesa transferiu a sede do poder para o Brasil, por exemplo, vai encontrar resquícios por todo o centro da cidade.

Mas, se você quiser focar nos primeiros anos da República, vá além do centro da cidade. 

O bairro de Botafogo, por exemplo, é um verdadeiro paraíso para conferir como viviam os abastados do final do século XIX e início do século XX na antiga capital republicana do Brasil.

A Casa de Rui Barbosa é, certamente, um dos mais belos exemplos da arquitetura e do estilo de vida desta época áurea dos primeiros anos do Brasil-República e merece uma visita!

 

 

Antes de mais nada, quem foi Rui Barbosa?

 

Ruy Barbosa de Oliveira (que por algum motivo que me é desconhecido, é grafado com “i” em todo o canto!) teve tantas funções profissionais e políticas, que a gente até se perde.

Nascido na Bahia no ano de 1849, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1879, ao ser eleito para a Assembleia Legislativa da Corte Imperial.

Na esfera política, atuou como deputado, senador e Ministro da Fazenda.  Além disso, foi coautor da Constituição da Primeira República e até candidato à presidência da república!

Paralelamente, foi um importante advogado e jurista. Resumindo, contudo, a sua trajetória, pode-se dizer que ele foi o intelectual brasileiro de maior visibilidade internacional em sua época.

Não é à toa que um busto em bronze, feito em sua homenagem, enfeita a Sede do Direito Internacional, em Haia.

Eu conferi pessoalmente essa escultura e só não tenho uma foto para comprovar porque é proibido fotografar durante o tour guiado pelo Palácio da Paz, mas conto como foi a experiência em outro post aqui do blog.

O “Águia de Haia”, alcunha de Rui Barbosa, está lá representando com muita dignidade o nosso país.

Na vida pessoal, foi casado com a Sra. Maria Augusta, com quem teve 5 filhos e com quem viveu 28 anos no museu-casa que hoje podemos visitar.

 

O Museu-Casa de Rui Barbosa

 

Inaugurado em 13 de agosto de 1930, o Museu-Casa de Rui Barbosa está instalado no número 124 da Rua São Clemente, uma das mais movimentadas do bairro de Botafogo.

A propriedade, por si só, já valeria uma visita, pois é uma das chácaras mais antigas da cidade.

Entretanto, é ali que se encontram os objetos pessoais, os móveis e muitas memórias de um dos mais importantes intelectuais brasileiros e de sua família.

 

O acervo

 

O acervo da Casa de Rui Barbosa reúne cerca de 1550 itens e ajuda a contar a um pouco da trajetória deste renomado jurista e sua fundamental importância na transição do império para a república.

A biblioteca conta com 23 mil títulos, distribuídos em 37 mil volumes. Além disso, reúne os mais de 60 mil documentos produzidos por Rui Barbosa entre 1849 e 1923. Este é um dos maiores patrimônios documentais do Brasil.

 

 

Na antiga garagem, estão expostas as quatro viaturas que pertenceram à família. As três primeiras, autênticos exemplares de tração animal do século XIX (a Vitória, o Cupê e o Landau). A última, um automóvel Mercedes Benz do início do século XX.

 

 

Rui Barbosa: um exímio jardineiro nas horas vagas

 

O jardim da Casa de Rui Barbosa é um capítulo à parte. Em 1938, seu conjunto arquitetônico e histórico de 9000 metros quadrados foi tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

E é neste espaço que é possível vislumbrar uma outra faceta de Rui Barbosa: a de apreciador das coisas mais puras e simples. Ele adorava cuidar do lindo jardim e planejar sua composição.

Ali encontram-se espécies nativas de sapoti, abiu, aroeira, araçá, entre outras espécies nativas e exóticas.

Algumas mangueiras, um jambeiro e uma lichia centenária foram plantados pelo próprio Rui Barbosa e compõem o cenário bucólico do imenso jardim, que destoa do entorno, pois a São Clemente é uma das ruas mais movimentadas do Rio de Janeiro.

É uma pena que as roseiras das quais o jurista cuidava pessoalmente não existam mais. Contudo, familiares afirmam que mais de 300 espécies de rosas eram cultivadas por ele. Imagine o sonho que não era aquele jardim 100 anos atrás?

 

Como visitar o museu-casa de Rui Barbosa?

 

Diferentemente de outros atrativos culturais do Rio de Janeiro, ou de qualquer outra cidade, o museu-casa de Rui Barbosa tem entrada grátis.

Entretanto, devido à importância de seu acervo e, também, por conta das medidas sanitárias contra a COVID-19, o acesso à casa-museu é bem limitado.

Além disso, há horários definidos para a visitação, já que elas só acontecem com o acompanhamento de um funcionário do museu.

Para visitar o jardim, não é necessário fazer agendamento prévio. Inclusive, é muito comum encontrar os moradores do bairro aproveitando os bancos à sombra das árvores para ler ou relaxar.

Há também uma área de lazer, onde as crianças podem brincar. Contudo, não é permitida a entrada com animais de estimação. Apenas cães-guias são liberados.

 

 

Como chegar à casa de Rui Barbosa?

 

A região onde está localizada a casa de Rui Barbosa é muito movimentada e com pouca opção de estacionamento em via pública. Assim, a forma mais fácil e econômica de acesso é, sem sombra de dúvida, o metrô.

Você pode pegar a linha 1 ou a linha 4, sentido Uruguai e descer na estação Botafogo/Coca-Cola (denominada estação Botafogo até 2021).

Mas, é importante ressaltar que esta estação possui 6 acessos. Para visitar a casa de Rui Barbosa, você deve pegar a saída A (São Clemente/Humaitá). Dali, é uma pequena caminhada até a casa-museu – cerca de 450 metros.

 

O Bairro de Botafogo

 

Uma boa maneira de prolongar a sua experiência após visitar o museu- casa de Rui Barbosa, é aproveitar para conhecer a vizinhança. Afinal, percorrer e se perder pelo bairro de Botafogo é uma experiência deliciosa!

Conhecido por ser o bairro mais sofisticado do Rio de Janeiro no final do século XIX, hoje em dia ele apresenta um mix de palacetes remanescentes desses tempos áureos com a modernidade de seus edifícios e centros comerciais.

O bairro de Botafogo também mescla a tranquilidade de ruas residenciais com o movimento constante em áreas mais comerciais.

A São Clemente é, com certeza, a rua que concentra a maior quantidade de construções elegantes e históricas.

Além da Casa de Rui Barbosa, ali ainda se encontram a Casa Firjan (antiga residência da família Guinle), o Palácio da Cidade (local de trabalho do prefeito do Rio de Janeiro) e o Palácio São Clemente, residência oficial do cônsul-geral de Portugal na cidade.

Já a Rua Voluntários da Pátria é lotada de barzinhos e restaurantes. E tem também a Estação NET Botafogo, com três salas de cinema e um café.

O bairro também possui um dos melhores shopping centers do Rio de Janeiro, o Botafogo Praia Shopping.

Ele conta com uma praça de alimentação, localizada no oitavo andar, onde é possível apreciar (de graça!) um dos mais lindos cartões-postais do Rio de Janeiro.

Vale muito uma esticada até lá. Principalmente porque dá para ir caminhando da Casa de Rui Barbosa até lá!

 

Museus pelo Brasil e pelo mundo

 

E se você, assim como eu, é fã de museus, saiba que o Rio de Janeiro tem uma porção deles! Um dos mais visitados é, sem dúvida, o Museu do Amanhã, sobre o qual há um post bem atual no blog Olívia Garimpando Por Aí.

Sempre busco inspiração em blogs de turismo para minhas viagens e encontrei dois que estou doida para visitar!

Um deles é a Cidade da Música em Salvador, sobre o qual a Lilian Azevedo publicou no blog Uma Senhora Viagem. O outro, é o museu andino da vinícola Santa Rita em Santiago do Chile. Babei nas dicas que a Gisele do blog Destinos Por Onde Andei compartilhou!

Visitar museus é uma das coisas que eu mais amo fazer em viagens. E, eles podem ser uma maneira econômica de conhecer a cultura de uma cidade ou país.

Você sabia que muitos museus de renome internacional são totalmente 0800? Ou que disponibilizam um dia grátis na semana?

Sim, vale muito a pena fazer essa pesquisa! Aqui no Rio, por exemplo, muitos museus oferecem gratuidade às terças-feiras. Em Londres , todos os museus do governo são isentos de taxa de entrada.

Inclusive, até cidades europeias consideradas chiques, podem oferecer vários museus grátis! Adelaide Pereira, autora do blog Turista Imperfeito, fez uma vasta compilação dos museus gratuitos de Milao, cidade em que ela mora.

Enfim, museus lindos, interessantes e economicamente viáveis existem em muitos destinos. Então, aproveite e faça uma listinha dos que você tem vontade de conhecer e aproveite essa imersão na história e na cultura dos lugares que você visitar.

 

A acomodação perfeita para a sua viagem, você encontra aqui:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.