Sem Comentários

Pequenina e tranquila, porém belíssima, Taormina pode ser considerada uma verdadeira joia da Sicília, na Itália. Conheça todas as dicas para aproveitá-la em uma curta visita de apenas um dia.

Durante um cruzeiro pelo Mediterrâneo com a MSC em julho de 2016, tive a chance de conhecer a bela Taormina.

 

Piazza IX Aprile no centro histórico de Taormina

Piazza IX Aprile no centro histórico de Taormina.

 

Confesso, porém, que minha visita foi muito breve. De modo que consegui conhecer apenas parte de todas as belezas arquitetônicas, culturais e históricas que a cidade tem a oferecer.

Além disso, não pude conhecer a tão famosa praia de Isola Bella, um dos principais cartões-postais do lugar.

De qualquer forma, saí de Taormina muito encantada. E, assim como outras cidades italianas que conheci em paradas de cruzeiros, coloquei-a na lista (interminável) de destinos que eu quero visitar com mais tempo.

Acho que depois dos vilarejos de Cinque Terre, na costa da Ligúria, Taormina figura no topo da lista de destinos visitados no sistema vapt-vupt, mas que merecem um repeteco prolongado.

 

De Messina a Taormina

 

Como eu conheci Taormina a partir de Messina, porto de cruzeiro mais próximo, busquei a forma mais rápida, prática e barata de chegar até lá.

O navio havia atracado às 8:00 da manhã, mas eu tenho uma dificuldade tremenda de acordar cedo depois das badalações noturnas do navio. De maneira que desembarquei já passava das 10:00. Então, não havia tempo a perder!

Acompanhada do meu marido e de um casal de amigos, dirigi-me à estação ferroviária Stazione Messina Centrale, que fica a apenas um quilômetro do terminal de cruzeiros.

 

Tour à Taormina com a MSC

 

Naturalmente, que um dos serviços oferecidos pelo navio era justamente um traslado até Taormina. Porém, achei mais conveniente ir por conta própria.

Primeiro, pelo alto custo desse tipo de arranjo. Segundo, porque teria apenas 3 horas para explorar Taormina.

E, finalmente, porque as excursões costumam sair assim que o navio atraca. E eu não queria acordar cedo de jeito nenhum!

 

Deslocamento de trem até Taormina

 

O tempo de deslocamento até Taormina feito com o ônibus fretado da MSC estava estimado em cerca de 50 minutos. De trem, fizemos o percurso Taormina – Giardini em 40 minutos.

Um outro diferencial foi o preço: pagamos 34 euros no total, para 4 passageiros para o percurso de ida e volta. Tudo bem que esses são valores de 2016, mas duvido que esteja muito mais caro.

 

Deslocamento da estação Giardini até o centro histórico de Taormina

 

A estação de trem de Taormina não fica próxima ao centro histórico, onde se encontram as principais atrações da cidade.

Além disso, Taormina localiza-se em uma colina que fica 200 metros acima do nível do mar. A parte histórica fica na parte alta e a estação de trem… adivinhe: na parte baixa.

Esse fato aliado às altas temperaturas do auge do verão (julho), desencorajam encarar o percurso a pé.

Assim, bem em frente à estação, combinamos com um motorista de táxi um preço fechado para nos levar à parte alta de Taormina (ao custo de 15 euros).

 

O que há para ver e fazer em Taormina?

 

Apesar de ser uma cidade pequena, com pouco menos de 10 mil habitantes, Taormina reúne várias construções históricas de grande importância. Assim como apresenta aos turistas diferentes possibilidades de turismo.

Honestamente, não há direção em que se olhe e que não se encontre o belo. Taormina tem uma vista espetacular para o Mar Jônico.

 

 

Assim como do alto da cidade é possível avistar o Monte Etna.

 

Vista para o Monte Etna a partir do Teatro Antigo de Taormina.

 

Centro Histórico de Taormina

 

Na parte amuralhada da cidade, concentram-se as principais atrações turísticas. De maneira que, assim que chegamos ao centro antigo, passamos a explorar livremente o lugar. Sem pressa nem necessidade de cobrir todos os seus atrativos.

Era um lindo de verão e estávamos mais a fim de curtir a vibe do lugar e as inúmeras opções gastronômicas.

Ainda assim, visitamos a Piazza IX Aprile, a linda praça que é um dos cartões-postais da cidade. E aproveitamos para conhecer, também, a Catedral Duomo de Taormina.

 

Piazza Duomo, com a bela Catedral de Taormina e a Quattro Fontane.

Piazza Duomo, com a bela Catedral de Taormina e a Quattro Fontane.

 

Perambulamos, ainda, por suas várias ruelas coloridas e estreitas.

 

Ruela no centro histórico de Taormina.

 

E, conferimos, também as lindas pinturas dos artistas locais.

 

 

Corso Umberto I

 

Exploramos a Corso Umberto I, a principal rua da cidade, que abriga lojas para todos os gostos: desde o artesanato local até as lojas de grandes grifes. É ali, também, que se concentram vários restaurantes e bares.

 

Corso Umberto I no centro histórico de Taormina.

 

Como não queríamos perder tempo com um almoço demorado, escolhemos um lugar com vista para o mar a fim de descansar e curtir o show de paisagem.

Quando o garçom soube que não almoçaríamos e que apenas ficaríamos nos belisquetes e cervejas, ficou super mal humorado.

De modo que tomamos rapidamente nossa cervejinha e picamos a mula. Enfim, passamos um rápido perrengue causado pela máxima de “ser aqueles turistas que nunca mais virão aqui de novo” e seguimos em frente.

 

Teatro Antigo de Taormina

 

Sem dúvida que o teatro grego, construído no terceiro século antes de Cristo, é a principal atração da cidade.

Imponente, ainda que com algumas partes em ruínas, mantém-se ativo e é palco de inúmeras apresentações culturais.

 

 

 

Além disso, é considerado o segundo maior teatro da Sicília, perdendo apenas para o de Siracusa.

Se no passado, a diversão ali era assistir as lutas entre gladiadores e animais ferozes, hoje em dia, o entretenimento é muito mais apropriado.

 

 

Durante os meses de verão, a programação do antigo teatro é pautada por shows, concertos e apresentações de dança.

 

 

Bom, apesar de o preço do ingresso não ser exorbitante (custou 10 euros em 2016), eu achei mal pago.

Primeiro, porque não havia um audio guide disponível para tornar a visita mais completa.

Segundo porque achei o local histórico muito descaracterizado, em virtude das instalações para as apresentações culturais (palco, estruturas metálicas etc.).

Acho até louvável manter “vivo” um patrimônio histórico, mas sou contra as intervenções muito “agressivas”. Gostei da visita, a vista é deslumbrante, mas achei o patrimônio um pouco mal cuidado.

Enfim, não sou especialista no assunto e essas impressões são apenas minha visão pessoal. De repente, você vai até lá e pode ter uma opinião completamente diferente da minha.

 

Gastronomia em Taormina

 

Logo que voltei desse cruzeiro, escrevi super empolgada um post sobre um quitute delicioso que experimentamos em Taormina.

Tratava-se do arancini, uma iguaria (muito provavelmente) inventada na cidade de Messina.

 

Olha que delícia esses quitutes encontrados no Mercato Centrale de Roma !!!

 

E, como Taormina é um município da região metropolitana de Messina, não deve ter custado muito até a delícia ter chegado lá.

O fato é que o arancini tem a cara da nossa amada coxinha de frango!

Imagine: na época, os quatro brazucas morando na Holanda correram pra se acabar no salgado.

 

 

Tudo bem que ele não era exatamente o que esperávamos, mas estava gostoso e foi uma novidade do destino! Assunto para um outro post aqui do blog.

 

Dicas para uma visita tranquila

 

Em primeiro lugar, quero reafirmar que deu tudo certo no nosso bate e volta de Messina a Taormina.

Porém, se você estiver participando de um cruzeiro, o ideal é pegar um transfer do navio ou agendar um tour com uma agência confiável.

Digo isso porque, na volta (sem ter a menor ideia do fato), pegamos um trem que ia na direção certa, mas que levou muito mais tempo, pois era um trem que parava em todas as estações entre Taormina e Messina.

Sorte que calculamos um bom tempo de volta, considerando o horário de partida do navio. Do contrário, poderíamos ter passado por apuros.

Além disso, você dependerá de um táxi para voltar do centro histórico de Taormina até a estação de trem Giardini.

Pode ser que você não encontre um motorista com tanta facilidade. Ou, ainda, que o preço cobrado seja muito alto.

Na volta, o taxista queria nos cobrar 20 euros pelo trecho. Nós argumentamos que pagáramos 15 euros pela ida e o motorista concordou em baixar o preço.

Porém, pode ser que você pegue a cidade cheia de turistas e aí vai ser difícil pechinchar.

Claro que a melhor época para visitar Taormina é fora da alta temporada (01-06 a 30-09), mas nem sempre isso é possível. Então, prepare-se para enfrentar altas temperaturas, sol inclemente e ruas lotadas de turistas.

Além de Messina, outras cidades turísticas possuem trens diretos para Taormina. É o caso de Roma e de Milão, por exemplo.

 

Vale a pena visitar Taormina?

 

Apesar de termos feito um bate e volta apertado a Taormina, fomos unânimes na opinião sobre a cidade, que é encantadora.

Ficar em Messina, provavelmente, também não teria sido uma alternativa ruim, mas antes de voltar ao navio, ainda conseguimos dar uma conferida nos arredores. O contrário, não teria sido possível.

 

Catedral de Messina.

 

A acomodação perfeita para a sua viagem, você encontra aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.