2 Comentários
Escolher o que fazer em Bordeaux em 3 dias é um grande desafio! Afinal, a bela cidade é um destino perfeito para amantes de uma culinária requintada e um excelente vinho. E pode ser, também, um ótimo ponto de partida para visitar as inúmeras vinícolas da região.

Por todos esses motivos, meu grupo de amigas resolveu escolher o destino para comemorar a visita de uma querida integrante, que após morar dois anos aqui na Holanda, voltou aos Estados Unidos.
Nós já havíamos viajado juntas outras três vezes em grupos menores. Desta vez, entretanto, fomos oito tagarelas animadas a descobrir os encantos da região de Bordeaux.

O entusiasmo e a atmosfera festiva começaram pelo menos dois meses antes, quando iniciamos os preparativos para o grande encontro.

Daí o motto do grupo “Bora Bordeaux”, nome carinhoso que demos à nossa viagem.

 

 

Como organizar uma viagem para um grupo grande de amigas?

Naturalmente que, em um grupo grande, escolher o que fazer em Bordeaux em 3 dias exigiu muita conversa!
Afinal, visitar diferentes lugares e adequar todos os ritmos e gostos, requer muito mais organização e planejamento.
Lógico que tínhamos algumas atrações em mente, mas nosso programa estava bem flexível.
Nosso objetivo maior era curtir a atmosfera do grupo, colocar o papo em dia e desfrutar de boa comida. E de um bom vinho, é claro!
De modo que tudo o que conseguíssemos percorrer em três dias, já seria um bônus. E, apesar de não termos conseguido “ticar” todos os pontos turistosos do pedaço, foi uma viagem divertida e memorável!

Como chegar a Bordeaux?

 

Optamos por voar até Bordeaux a fim de ganhar tempo, pois tínhamos apenas quatro dias. Além do mais, saindo de Amsterdã, há voos diretos para lá.
Voamos com a KLM e o deslocamento durou cerca de uma hora e quinze minutos. A viagem foi tranquila e chegar ao centro da cidade foi muito fácil.
O aeroporto de Bordeaux é pequeno, bem sinalizado e de fácil locomoção.

Como chegar do aeroporto ao centro de Bordeaux e vice-versa?

 

O aeroporto fica a cerca de dez quilômetros do centro da cidade. Há duas boas opções para turistas: o Navette Shuttle que conecta o aeroporto à estação de trem central e um ônibus comum (linha 1).

O primeiro sai €7,20 por pessoa e o segundo, apenas €1,50 (valores de maio de 2016).

Se eu estivesse sozinha, não teria hesitado: pegaria o ônibus comum. Mas o grupo decidiu rachar um táxi. Acomodamo-nos em uma van para oito passageiros e a corrida saiu €30,00.

Acabou ficando barato, pois dividimos por seis (duas amigas se juntaram a nós no dia seguinte) e o custo ficou em €5,00 por pessoa.

Na volta para o aeroporto, fomos de ônibus comum e foi super tranquilo.
São cerca de 40 minutos de deslocamento, mas ele para bem em frente ao terminal de passageiros. Prático e super barato: apenas €1,50 e pagos diretamente ao motorista.

Onde se hospedar em Bordeaux?

 

Obviamente, que há opções para todos os gostos e bolsos. Optamos por um hotel simples, mas bem localizado.

Reservei quatro quartos duplos no Hotel Gambettacom o meu parceiro Booking.com e fiquei satisfeita com a escolha, que foi  aprovada, também, por todo o grupo.

Os quartos, apesar de pequenos, eram limpos e arrumados. A única ressalva – feita por uma de minhas amigas – foi o café da manhã.

Eu, particularmente, não tenho nada a reclamar, pois a oferta de produtos coincidiu com meu estilo de desjejum. Entretanto, uma de minhas amigas sentiu falta de opções de frios e de salgados, pois não havia queijos, presuntos e ovos, por exemplo.

Porém, a tarifa para o café da manhã era de apenas €7,00 por pessoa. Assim, minhas outras amigas concordaram que, para o valor cobrado, a oferta de produtos estava a contento.

Contudo, se você também é do tipo que quer um café mais variado, há algumas opções de estabelecimentos nas redondezas do hotel.

 

Qual a melhor região para se hospedar em Bordeaux?

 

O ideal é se hospedar na região perto da Rue Sainte-Catherine, pois além de ser o “shopping point”, há inúmeras opções de bons restaurantes e você ficará bem pertinho das atrações turísticas.
Nosso hotel ficava a poucas quadras de lá. A região da Place de la Bourse também é muito boa mas, certamente, mais cara.

Independentemente da escolha do hotel, você sabe que o Booking.com é um site em que você pode confiar e que fazendo a reserva com o Turista FullTime, você ajudará na manutenção do blog.

Então, se você vai viajar para Bordeaux, já aproveite e faça sua reserva por aqui mesmo. A amiga blogueira agradece!

 

Como se locomover em Bordeaux?

 

O centro histórico não requer uso de meio de transporte, pois tudo fica em um raio de dois quilômetros.

Contudo, se você pretende visitar as vinícolas, o ideal é alugar um carro, pois assim terá uma flexibilidade maior. Foi o que optamos fazer por um dia.

A parte histórica de Bordeaux é relativamente pequena e possível de ser visitada em uma estadia de três dias.

Há muitas opções de museus e de passeios na cidade e nas regiões produtoras de vinho, que ficam próximas.

É possível comprar um City Card e se beneficiar de entradas grátis em museus, uso ilimitado de transporte público e descontos em passeios de um dia a partir da cidade.

Não fiz uso do recurso pois sabia que dificilmente conseguiria usá-lo o suficiente para valer a pena o investimento.

Contudo, acho que gera uma boa economia para quem tem intenção de percorrer a parte cultural da cidade.

A graça maior, no entanto, não é ficar só na cidade e, sim, percorrer as cidadezinhas próximas a Bordeaux.

Como optamos por locação de veículos, conseguimos visitar, também, Margaux e Saint-Émilion, que ficam a 30 e 50 quilômetros de Bordeaux, respectivamente (porém, em direções opostas).

Além disso, conseguimos parar para almoçar no delicioso La Terrasse Rouge e pudemos visitar o Château de Ferrand.

Assim, optar por locação de veículos valeu a pena, pois se estivéssemos com transporte público, provavelmente, só teríamos visitado Saint-Émilion.

 

O que fazer em Bordeaux em 3 dias?

 

Bordeaux tem inúmeros edifícios e monumentos espalhados pelo centro histórico. Reservamos o nosso segundo dia na cidade para percorrer as principais atrações. Assim, teríamos uma visão geral.


Perambulamos o dia todo, com apenas uma pausa para o almoço, e assim pudemos conferir o que era mais importante.
Optamos por entrar em um único museu, pois o tempo estava seco (apesar da previsão de chuva!) e queríamos aproveitar ao máximo os ambientes abertos.

Arquitetura e História

 

Musée de Beaux Arts (Museu de Belas Artes) está instalado em um bonito edifício e conta com uma exposição muito interessante de pinturas e esculturas.
Museu de Belas Artes de Bordeaux.
Ele não é muito grande, sendo possível visitá-lo com pouco tempo disponível. Para desfrutar com calma, duas horas são mais do que suficientes.
A Place de La Bourse, localizada às margens do rio Gironne e construída entre 1730 e 1775, é um dos mais emblemáticos cartões-postais da cidade.
Patrimônio mundial da humanidade, é uma linda construção, tanto de dia, quanto iluminada à noite.
Place de La Bourse de Bordeaux.

Igrejas

 

A bela Cathédrale de St. André, construída em estilo gótico, demorou mais de 400 anos para ser concluída e foi cenário dos casamento de Eleanor de Acquitaine com Luís VII (1137) e de Ana da Áustria com Luís XIII (1615).

Um dado curioso é o fato de a Tour Pey-Berland (a Torre do Sino) encontrar-se separada da construção principal.

A encantadora Basilique St-Michel, construída entre os séculos XIV e XVI, é mais um exemplo de arquitetura gótica.
Basílica de Saint-Michel em Bordeaux.

Pórticos

 

Há lindos pórticos espalhados pela cidade. O Porte Dijeaux ficava a poucos metros do nosso hotel e colado à Place Gambetta.

 

Pórtico Dijeaux em Bordeaux.

Place Gambetta fica bem pertinho do hotel em que nos hospedamos e parece ser um lugar bem agradável para uma pausa.
Ela é muito frequentada pelos locais, que encontram ali um refúgio verde no meio de uma grande e movimentada cidade.

 

Porte Cailhau, construído em 1494, é um magnífico monumento que está praticamente intacto. Localizado às margens do rio Garonne, agrega beleza à região.
Pórtico Cailhau em Bodeaux.

 

A Pont de Pierre, primeira a ser construída em Bordeaux sobre o rio Garonne, foi planejada por ordem de Napoleão Bonaparte, mas sua construção só começou de fato em 1819 e levou três anos para ser concluída.

Independentemente de se saber sua história, é um belo exemplar de arquitetura.

 

Ponte Pierre em Bordeaux.

 

Lugares encantadores que os locais também curtem

 

Naturalmente, Bordeaux tem muito mais possibilidades de lazer. Um passeio que eu lamento não ter feito foi pegar um daqueles barcos e poder ver a cidade sob a perspectiva da água.

​Havia muitas opções de mini-cruzeiros, inclusive com jantar. Aliás, percebi que havia um navio de cruzeiro ancorado bem em frente à Place de La Bourse, o que é bem conveniente para um passageiro que ficará apenas algumas horas na cidade.

Neste caso, eu não pegaria excursão alguma, já que há um escritório de turismo bem na praça. Fica aqui a dica, se este for o seu caso, algum dia.

A Promenade Sainte-Catherine é “A” shopping street de Bordeaux. Apesar de as lojas das super grifes não ficarem por lá, e sim na Cours de l’Intendance, é uma agradável área para pedestres e com lojas muito mais “humanas”. Quero dizer, aquelas em que os mortais podem comprar!
Alguns exemplos do que você pode encontrar por lá são as famosas Pandora, Swarovski, Spirit, MAC, C&A entre muitas outras opções para todos os gostos e bolsos.
Place de la Victoire é outro importante monumento da cidade, pois lá encontra-se o Porte d’Acquitane e a enorme coluna feita em mármore para homenagear a vinicultura, tão presente nesta região francesa.
O charme especial desta praça vai para a tartaruga que atrai adultos e crianças para uma bela selfie!

Roteiros de bate e volta pelos arredores de Bordeaux

 

Não pudemos explorar muito este quesito, pois tivemos apenas um dia livre fora de Bordeaux, mas para quem vai ficar mais tempo, a região tem muito a oferecer.
A pequena cidade de St-Émilion é um exemplo: com dezenas de lojas especializadas em vinho, é uma boa pedida para passar horas agradáveis e relaxar depois de visitar alguma vinícola da região.
Saint-Émilion: um perfeito bate e volta a partir de Bordeaux.
Outras sugestões são a pequenina Margaux e o Chateau de Ferrand. Falarei sobre essas outras localidades em um post específico.

Onde comer em Bordeaux?

 

Bem, este é um tópico que muito me agrada em qualquer viagem e posso dizer que em todos os lugares que comi por lá saí satisfeita e achando o custo/benefício adequado.
Bordeaux não é uma cidade propriamente econômica, mas a culinária (francesa, né?!) não decepciona.

 

Um jantar com “experiência”


Nossa primeira experiência gastronômica foi no restaurante Julien Cruège. Desconhecido da maioria dos turistas, o que é muito bom!

Apesar de o restaurante fazer parte do TripAdvisor e de ter recebido boas referências, está fora do centro turístico e da lista de lugares óbvios.

Frequentado por locais e comandado por um simpático casal de franceses, o restaurante é um “achado”.

A sugestão dos vinhos foi muito apreciada e o menu, com preço fechado de 31 euros para o jantar (entrada, prato principal e sobremesa), foi aprovado por todas.

Uma refeição excelente, com o custo final de 40 euros por pessoa.

 

Você deve estar se perguntando como fomos parar lá. Simples: uma das minhas amigas estivera de férias em Portugal e conhecera os donos. Resolveu sugerir o lugar.

Claro que fomos recebidas com todo o carinho e Miriam, a proprietária, tratou-nos mais como convidadas do que como clientes. Contudo, isso não impacta no fato de a comida ser deliciosa e preparada no maior capricho pelo chef proprietário que dá nome ao restaurante.

 

Opções gastronômicas no centro turístico de Bordeaux

 

Le Chapeau Rouge

Bem localizado e com ambiente super agradável, Le Chapeau Rouge é uma excelente opção para a hora do almoço.
O menu é variado e o preço, justo. As mesinhas do lado de fora complementam o astral despojado do lugar. Comi um espaguete com camarões que estava delicioso!

Le Grand Café

Outro lugar bem no centrinho turístico e que pode ser uma boa pedida para almoço ou jantar, ocasião em que lá estivemos, é Le Grand Café.
Optei pelo trivial bife com batatas fritas, mas foi um prato justo.
Minhas amigas escolheram coisas diferentes, pois o menu era bem variado. Ninguém do grupo saiu reclamando da escolha.

Brasserie L’Orléans

 

Brasserie L’ Orléans foi o restaurante escolhido para o jantar do último dia. Apesar de o serviço ser um pouco moroso (talvez por ser sábado à noite), os pratos estavam muito bem preparados.
Escolhi um risotto com coquilles que estava divino!

 

Amorino

 

Bem, o Amorino está para o chocolate quente assim como o 100Montaditos está para os pães!

Quem sempre lê meus posts, sabe que eu persigo a franquia de bocaditos em cada cidade que visito na Espanha.

Eu só tinha essa mania, até que conheci o Amorino, na visita que fiz em janeiro a Milão. De lá pra cá, já carimbei o “passaporte” em Bilbao e, agora, em Bordeaux.

Qual será o próximo destino onde irei encontrar este templo da perdição chocólatra?!

 

Filial da Amorino no centro de Bordeaux.

 

Um restaurante nos arredores das vinícolas de Saint-Émilion

 

La Terrace Rouge é um agradável restaurante na área de vinícolas de Saint-Émilion, mas que talvez fique complicado para quem não está de carro.

Ambiente amplo, moderno, com ótima opção de pratos. Comi um steak com batatas. Estava muito gostoso! Falarei com mais detalhes sobre ele no post sobre a cidade.

 

 

Viagem em grupo

 

Bem, eu já tive a oportunidade de levantar a discussão sobre os possíveis pós e contras em viajar com um grupo de amigas em outro post aqui do blog.

Entretanto, posso lhe adiantar que o que mais me agradou na viagem, não estava propriamente no roteiro. Eu sabia que gostaria de visitar Bordeaux e a região, é claro. Não teria como ser diferente!
Afinal, o destino é famoso pela gastronomia e pelos excelentes vinhos. Porém, para mim, o mais gostoso foi tê-lo conhecido com um grupo de amigas.
Eu já havia participado de várias viagens com amigos, mas nunca tinha viajado num grupo só de mulheres.

Fora a diversão (inenarrável!), ficou um aprendizado valioso: em um grupo numeroso, onde cada indivíduo tem o seu ritmo, os seus interesses, os seus gostos, a receita da boa convivência é a tolerância e a habilidade de ceder.

 

Diversão garantida em uma viagem com amigas a Bordeaux.

Isso, com certeza, o grupo conseguiu fazer com maestria. Todas estavam empenhadas em manter a alma leve e um tremendo alto-astral!

Durante os quatro dias que passamos juntas, não houve uma saia justa sequer.

Selfie com oito divas, nunca terá um consenso. Se alguém tiver que sair vesga, que seja eu!

Tivemos, sim, um momento perrengue que, apesar de ter gerado um certo nervosismo justificado, acabou sendo encarado com bom humor… O desfecho foi tão engraçado, que merece um post à parte!

 

No voo da volta, já estávamos esboçando o roteiro da próxima rota, assinando um “pacto” de presença! Sinal de que tudo correu muito bem. E que deixará somente boas lembranças, também!

 

A acomodação perfeita para a sua viagem, você encontra aqui:

2 thoughts on “O que fazer em Bordeaux em 3 dias?”

  1. Bordeaux realmente é lindo! Fui com meu noivo um tempo atrás. Nós preferimos contratar uma agência, que nos tratou muito bem. A guia turística era brasileira e entendia muito de vinhos (acho que a empresa chamava gimtravel e a guia era a Pricila)! Nos levou em cada lugar… Um melhor que o outro.
    Queremos voltar, se possível. Agora para visitar outros locais. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.