O Mini Mundo, tradicional parque temático localizado na cidade de Gramado, é uma daquelas atrações capazes de encantar pessoas de todas as idades. Suas réplicas em miniatura, de diversas construções emblemáticas do Brasil e do mundo, são um convite irrecusável a uma visita!

Um pouquinho da História do Mini Mundo

Dizem que os avós fazem qualquer coisa pra agradar aos netos. Ainda não sou avó, mas deve ser mesmo verdade. O Mini Mundo é um bom exemplo para o tema.

Imagine que tudo começou em 1979, quando o Sr. Otto Höppner, resolveu presentear os netos com uma área de lazer ao ar livre.

Foi com a casinha de bonecas que tudo começou…

Contando com a ajuda de seu filho Heino, pai das crianças, construiu uma linda casinha de bonecas e um conjunto de castelos e trenzinhos em miniatura.

O que seria apenas um espaço para os netos brincarem, construído em uma porção dos jardins do hotel da família, acabou atraindo a atenção dos hóspedes.

Todos queriam ver aquele lindo espaço dedicado às crianças.

Assim, o que era para ser algo restrito e familiar, acabou se tornando, ao longo de algumas décadas, uma das principais atrações da Serra Gaúcha.

A bela entrada do parque temático…

Aberto ao público no final de 1983 , o Mini Mundo vem encantado pessoas de todas as idades.

Da mesma forma que, como qualquer outra “cidade”, vem se desenvolvendo desde então.

Um pedacinho da Alemanha no Mini Mundo…

Hoje em dia, conta com belíssimas construções emblemáticas, tanto do Brasil quanto do mundo. E atrai cada vez mais visitantes.

Minha História com o Mini Mundo

A primeira vez que visitei o Mini Mundo, eu tinha apenas 21 anos e fiquei absolutamente encantada com as miniaturas.

Mais de duas décadas depois, já morando em Haia, visitei o Madurodam, um parque temático com minituras de algumas importantes construções da Holanda.

Madurodam: a Holanda em miniatura

Daí que, durante a estadia na Serra Gaúcha, a visita ao Mini Mundo não poderia ficar de fora… E posso ser honesta?

Fiquei ainda mais encantada com o parque, ao reconhecer algumas das construções europeias que tive a oportunidade de visitar nas minhas andanças pelo Velho Mundo.

Castelo de Neuschwanstein – Rota Romântica – Alemanha

Os personagens do parque

Quatro figuras encantadoras acompanham a sua visita ao parque. O Limpador de Chaminés e a Bruxinha Ju são anfitriões impecáveis. São eles que lhe dão as boas-vindas.

O Ursinho Gui e a Ursinha Ana alegram a sua visita e estão sempre prontos para uma selfie!

As réplicas do Mini Mundo

Desde a abertura do Mini Mundo, várias construções em miniatura já foram incorporadas ao acervo. Entretanto, todas as réplicas têm algumas características comuns.

Ainda que elas pertençam a regiões geográficas diferentes, todas elas obedecem a um mesmo critério: são 24 vezes menores do que seus originais.

Além disso, elas representam cenas cotidianas e harmonizam-se entre si para formar uma linda cidade.

Olha só a turma que está bem em frente ao coreto!

E, finalmente, todas as réplicas expostas são construídas com o máximo de fidelidade aos seus respectivos originais.

Portanto, apresentam uma riqueza de detalhes impressionante, graças ao estudo exaustivo dos projetos arquitetônicos.

Museu do Ipiranga – São Paulo

O compromisso com os detalhes é tanto, que a equipe responsável pela construção das miniaturas busca utilizar os mesmos materias das construções verdadeiras.

Assim como estuda minuciosamente a História de cada uma delas.

Uma curiosidade bem interessante é que as réplicas da cidade miniatura estão preparadas para suportar as enormes variações climáticas de Gramado.

Palácio do Príncipe de Mônaco.

Imagine que em um ambiente externo, as temperaturas no parque podem facilmente atingir mais de 40 graus Celsius no verão e 10 graus negativos no inverno.

Haja estudo de técnicas construtivas para aguentar tamanha oscilação. E a equipe dá conta do recado, pois tudo parece estar impecável!

O que esperar da visita ao Mini Mundo?

Apesar de o parque contar com uma pequena área de lazer para as crianças, ele não é muito interativo. O ambiente é bonito, os personagens são alegres, mas a interatividade para o público infantil é reduzida.

Entretanto, há outros espaços na cidade para soltar a garotada. O Lago Negro e o Reino do Chocolate são opções excelentes!

Reino do Chocolate

Naturalmente, é proibido tocar nas miniaturas. Afinal, elas são peças decorativas. A preservação dos ambientes do parque só é possível com esta intervenção.

Lógico que é possível fotografar, observar com calma, visitar por conta própria… mas nada de querer conferir com os dedos!

Logo na chegada, o Limpador de Chaminés dá as boas-vindas aos visitantes. No meu caso, ele também foi um excelente guia! Mostrou-me particularidades das instalações que podem passar despercebidas. Contou-me detalhes das construções e da história do parque.

De modo que visitar o parque por conta própria é possível, mas perde-se a riqueza dos detalhes. Como o parque oferece essa possibilidade de visita guiada com os monitores, o ideal é acompanhar a explicação e, depois, conferir por conta própria o que mais lhe agradou.

Curiosidades acerca do Mini Mundo

Várias peculiaridades me surpreenderam durante a visita. A mais impactante, fora as réplicas, foi a ambientação dos jardins. Tudo é confeccionado em tamanho reduzido, mas com vegetação de verdade.

Os jardineiros trabalham exaustivamente nas podas e na confecção de bonsais para que tudo harmonize com as construções.

O resultado é belíssimo!

Além disso, como já comentei, o Mini Mundo funciona como uma verdadeira cidade. Portanto, tem até prefeito eleito pelos visitantes.

O parque também promove ações sociais, que vão desde a ajuda contínua a algumas instituições até a promoção de concursos culturais entre os alunos das escolas locais.

Daí que o poço dos desejos que você vê logo na entrada, ajuda a concretizar muitos projetos de caridade.

E, finalmente, a escolha dos personagens do parque segue uma simbologia. Os ursinhos Gui e Ana representam o lado doce da infância.

A Bruxinha Ju não tem nada de malvada. Ela representa proteção para toda a família.

Já o Limpador de Chaminés é quase um amuleto. Dizem que quem avistar um limpador de chaminés, terá sorte por toda a vida. Afinal, é muito difícil vê-los. Eu terei muita sorte, pois fiquei um tempão na companhia de um deles!

Planeje sua visita ao Mini Mundo

Como chegar?

O Mini Mundo está localizado a menos de 1.5km da parte mais central de Gramado. Para quem está de carro, há vagas na rua em frente à entrada do parque.


Além disso, ele faz parte do itinerário do Bustour, operado pela Brocker Turismo.

Eu visitei duas vezes o parque nesta última estadia. Da primeira vez, cheguei com o City Tour por Gramado e Canela, oferecido pela Gramado Receptivo.

Na segunda, fui a pé a partir do Sky Hotel, onde estava hospedada.

Horários e ingressos

O parque funciona todos os dias, faça chuva ou faça sol, sempre das 9:00 às 17:00.

O ingresso para adultos custa R$36,00. Entretanto, meia-entrada é possível para maiores de 60 anos e estudantes entre 3 e 15 anos. Crianças até 2 anos não pagam.

Importante ressaltar que estes preços correspondem a abril de 2018. Para valores sempre atualizados, convém consultar o site oficial.

Um detalhe importante: para usufruir do desconto, é necessário apresentar um documento oficial. Além disso, cartões de crédito não são aceitos.

Estrutura do parque

O parque conta com uma loja de suvenires variados e com uma área de alimentação.

O Mini Mundo é totalmente acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Rampas de acesso estão espalhadas por todo o complexo.

O complexo é quase que inteiramente a céu aberto. A visita em dias chuvosos é possível, mas uma capa de chuva é sempre bem-vinda.

Opções de hospedagem próximas ao Mini Mundo

O hotel mais próximo (e o mais luxuoso) é, sem dúvida, o que pertence à família. O Hotel Ritta Höppner é um premiado cinco estrelas, localizado a apenas 100 metros da entrada do parque.

Além dele, uma excelente opção (e com ótimo custo-benefício) é o Hotel Sky, onde fiquei hospedada. Conto como foi a experiência em outro post aqui do blog.

E, por último, há também o Hotel Pousada Kaster, localizado a apenas 400 metros do parque. O hotel parece ser bem charmoso e confortável. Entretanto, não posso opinar sobre os serviços oferecidos.

Agradecimentos

Durante esta última visita a Gramado e região, estive no Mini Mundo em duas ocasiões e fui sempre muito bem recebida. Então, o meu muitíssimo obrigada vai para toda a equipe do parque, que me atendeu com todo o carinho e atenção.

Um agradecimento todo especial ao Alexandre Pereira (o Limpador de Chaminés), à Danielly Mattozo (a Bruxinha Ju) e ao Nelson Fernando, que tornaram minha experiência ainda mais rica, compartilhando todos os detalhes da estrutura e do funcionamento do parque. Nota dez!!!

Importante ressaltar que, apesar da parceria com o Mini Mundo, todas as opiniões e comentários deste post são impressões genuínas de uma viajante experiente, acostumada a visitar diversas atrações e que sabe avaliar a qualidade dos serviços prestados.

Assim, ciente do meu compromisso como blogueira e da minha experiência como viajante frequente, sinto-me totalmente confortável em recomendar o parque temático Mini Mundo  como uma das atrações imperdíveis da Serra Gaúcha.

Serra Gaúcha e as múltiplas opções de lazer

E se você gostou deste post e quer saber mais sobre Gramado e Canela, saiba que há muitas outras atividades para curtir a região. Eu tenho muito mais a contar. E convido você para conferir os outros posts sobre o tema!

A acomodação perfeita para a sua viagem, você encontra aqui:

Compre seus ingressos em Português e sem complicação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: