Sem Comentários

O Sítio Roberto Burle Marx, na Zona Oeste do Rio de Janeiro , é um passeio imperdível para conhecer um pouco da vida e da obra de um dos mais importantes paisagistas do mundo. 

É, também, a chance de conferir a bela propriedade e os imensos jardins, com mais de 3500 espécies cultivadas, que o grande mestre nos deixou como legado.

Burle Marx e a história de uma vida dedicada ao belo

Visitar o sítio sem conhecer um pouco da vida do artista, certamente, tira um pouco da graça do passeio.

É preciso entender que, acima de tudo, a propriedade apresenta o resultado de mais de décadas de dedicação, de estudo e de organização de uma das mais lindas coleções de plantas do mundo.

O lago próximo à entrada, já dá as boas-vindas aos visitantes…

Em 1949, o paisagista comprou, em sociedade com o irmão, o Sítio Santo Antonio da Bica, uma propriedade localizada na Barra de Guaratiba.

Na época, com uma área bem menor do que hoje pode ser visitada, ela se resumia a uma antiga casa de fazenda, uma capela do século XVII em ruínas e uma grande plantação de bananas.

Ao longo de mais de duas décadas, Burle Marx foi restaurando a propriedade e transferindo para lá sua coleção de plantas, iniciada ainda na infância.

Em 1973, ele resolveu, então, mudar-se definitivamente para o sítio, onde permaneceu até sua morte, ocorrida em 1994.

É importante ressaltar, também, que ao longo das décadas seguintes, o paisagista foi comprando porções maiores de terreno e anexando-as à propriedade original.

Hoje em dia, a propriedade se estende por mais de 365 mil metros quadrados. Além disso, ele foi adicionando um acervo gigantesco de plantas e objetos de Arte e artesanato.

Atualmente, além do Museu-Casa (aberto de 1999), é possível visitar a capela, a Cozinha de Pedra, o ateliê de pintura e, logicamente, ter acesso à parte do acervo de uma das coleções mais importantes de plantas tropicais e subtropicais do mundo.

Como planejar a sua visita ao sítio Burle Marx?

Hoje em dia, a administração do sítio está sob responsabilidade do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), graças à generosidade do artista, que doou a propriedade ao governo.

A visita só é possível mediante um agendamento prévio, que pode ser feito por telefone ou por e-mail.  Há dois horários disponíveis (9:30 e 13:30) de terça à sábado.

O ingresso custa R$10,00 (valores de 2018) e deve ser pago em dinheiro vivo. Crianças até cinco anos não pagam e idosos e estudantes pagam meia-entrada.

A duração da visita é de 90 minutos e só é possível acompanhada do guia fornecido pela instituição. É possível agendá-la individualmente ou para um grupo (máximo de 35 pessoas).

Como chegar ao Sítio Roberto Burle Marx?

O sítio está localizado na Barra de Guaratiba, bairro localizado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Para quem está na Zona Sul da cidade, leva cerca de uma hora para chegar até lá, em condições normais de tráfego.

É possível chegar até lá usando transporte público urbano, mas o ideal é ir de carro, já que o acesso não é muito descomplicado. Além disso, vai acrescentar muito tempo de deslocamento ao percurso.

De metrô

Peque a linha 4 até a estação terminal Jardim Oceânico (Barra da Tijuca). De lá, embarque na linha Transoeste do BRT e desça na estação Ilha de Guaratiba. E, finalmente, pegue um ônibus da linha 867 ou 874.

De ônibus

Pegue qualquer linha de ônibus que vá até o Terminal Rodoviário da Alvorada (Barra da Tijuca). De lá, embarque na linha Transoeste do BRT e desça na estação Ilha de Guaratiba. E, finalmente, pegue um ônibus da linha 867 ou 874.

De carro

Siga pela Avenida das Américas, sentido Recreio dos Bandeirantes. Ao final da avenida, pegue o túnel Vice-presidente José Alencar (túnel da Grota Funda). Saindo do túnel, pegue a segunda rua à direita. Depois, siga as placas em direção à Guaratiba. Não tem como errar: o sítio fica nesta estrada.

Há estacionamento dentro da propriedade.

Como se preparar para a visita?

Por se tratar de uma área com grande vegetação, é de se esperar que tenha muito mosquito. E não se engane: tem muito, mesmo. E eles atacam até por cima da roupa. Então, repelente é um artigo indispensável.

Além disso, há ladeiras um pouco íngremes. O ideal é usar calçados apropriados. Roupas confortáveis, protetor solar, boné e óculos escuros também são itens de extrema importância, especialmente no verão.

Uma boa pedida é levar uma garrafinha para água, pois há bebedouros na propriedade.

Não é possível entrar sem camisa ou em trajes de banho. Então, se você for fazer um combinado do passeio com alguma das praias da região, certifique-se de estar com uma muda extra de roupa.

O que esperar do tour?

A visita começa, pontualmente, na sede administrativa do sítio. Convém chegar uns minutos antes, para não perder a chance de se unir ao grupo.

Aproveite para usar o banheiro, se necessário, pois não há outros disponíveis no restante da propriedade.

Ao longo do caminho que leva ao Museu-Casa, o guia vai mostrando as mais importantes espécies de plantas.

A primeira parada do passeio ocorre na capela de Santo Antonio da Bica.

Depois, é possível visitar a antiga casa da fazenda, que foi reformada pelo paisagista e que ainda preserva a mobília e os objetos utilizados por ele.

Aliás, Burle Marx adorava dar festas, fato que pode ser comprovado ao se observar os inúmeros objetos da sala de jantar.

O destaque vai para a concha gigantesca que ele usava para servir salada aos convidados.

Outra informação que me deixou bastante emocionada: saber que as cinzas do saudoso cantor Renato Russo foram jogadas no lago que fica em frente à antiga construção.

Burle Marx, além de paisagista, era um exímio artista, capaz de produzir pinturas, desenhos, tapeçarias, entre tantas outras formas de Arte. O ateliê onde ele trabalhava é um outro ponto marcante da visita.

O percurso segue até a Cozinha de Pedra, uma ampla área com churrasqueira.

E muito espaço para receber os amigos.

A última parada da visita acontece em uma bela construção, que serviria de casa e estúdio para Burle Marx. A remontagem de uma antiga fachada levou dez anos para ser concluída. Infelizmente, o artista viveu o suficiente para ver a casa inaugurada, mas não para conseguir utilizá-la.

Hoje em dia, o belo projeto arquitetônico serve como sala para concertos e pequenos espetáculos.

Os jardins

São tantas cores, formas e variedade de plantas, que fica até difícil eleger o que é mais bonito. Eu fiquei particularmente encantada com as bromélias. Lindas e aos montes, espalhadas por toda parte. 

Agora, o mais interessante do conceito deste lindo jardim é que a ênfase não é nas flores, como seria de se esperar em qualquer jardim do mundo.

Isso porque Burle Marx acreditava que um jardim deveria ser bonito o ano inteiro, independentemente de florações.

Daí que ele apostou em espécies que se manteriam bonitas o tempo todo, com ou sem flores para ornamentá-las.

O acervo do sítio Burle Marx

Entre pinturas, mobília, objetos de Arte, artesanato e utensílios, são 3125 itens catalogados.

Uma curiosidade: apesar de o paisagista intitular-se agnóstico, ele gostava de colecionar Arte Sacra. 

Oratório localizado ao lado da cama de Burle Marx.

Outra marca impressionante de sua coleção são as morangas. Lindíssimas e, algumas delas, enormes.

Acessibilidade

Há um carrinho de golfe disponível para transporte de pessoas com mobilidade reduzida.

Apesar de o sítio possuir áreas íngremes, grande parte dos acessos é feita por vias pavimentadas, o que permite o trânsito de carrinhos de bebê e cadeiras de rodas.

A capela e a antiga casa da fazenda, entretanto, só têm escadas. Não há rampas de acesso.

Extras do Sítio Burle Marx

Todos os domingos, às 7:30 da manhã, há missas na Capela Santo Antonio da Bica.

É possível, também, agendar casamento, combinando com o padre. Entretanto, há limite de convidados e não é possível fazer festa na propriedade.

Extras em Barra de Guaratiba e região

Além do Sítio Burle Marx, a Barra de Guaratiba conta com outros pontos de interesse. É o caso do Alambique MaxCana, único na cidade do Rio de Janeiro, e sobre o qual falarei em outro post.

Outra boa pedida, é conferir um dos vários restaurantes do polo gastronômico. Na ocasião em que lá estive, almocei no Restaurante Aquários.

Há, também, a praia da Barra de Guaratiba e algumas trilhas a partir da Pedra de Guaratiba, cujo destino são praias mais “intocadas” da região. Se você tiver tempo e disposição, vale a pena visitar, também, a praia de Grumari ou a Prainha.

Agradecimentos

A convite da empresa 35 Passeios, eu e meu marido fomos conferir o tour “Sítio Burle Marx e as Maravilhas da Barra de Guaratiba”.

O passeio incluiu, também, uma volta panorâmica pela Praia de Guaratiba, uma rápida parada na loja de Doces Caseiros de Guaratiba, uma pausa para almoço no Restaurante Aquários e uma visita guiada com degustação ao Alambique MaxCana.

Nossos sinceros agradecimentos ao Luiz Henrique Tojeiro e à Myrthes Lage pelo agradável dia. Os dois foram extremamente solícitos e gentis, proporcionando um excelente passeio a todos os integrantes do grupo, pelo que pudemos perceber.

Nosso muito obrigada, também, ao guia Rafael Marinho, que nos apresentou o sítio com grande simpatia e extenso conhecimento do assunto.

Informações

Sítio Roberto Burle Marx

Endereço: Estrada Roberto Burle Marx, 2019.

Telefone para contato: (21) 2410-1412

E-mail para contato: srbm@iphan.gov.br

Horário de funcionamento: terça a sábado (9:30 e 13:30)

Agência 35 Passeios

https://www.facebook.com/35passeios/

Telefones para contato: (21)98375-1837/(21)99381-4949

E-mail: 35passeios@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *