2 Comentários
O primeiro cruzeiro a gente nunca esquece… dá um frio na barriga na hora de preparar a mala, no momento do embarque, na primeira vez em que o navio alcança o alto-mar e não se vê o menor sinal de terra firme.. São muitas emoções, com certeza! Claro que cada pessoa tem suas expectativas e incertezas, mas eu acho que a maior preocupação para marinheiros de primeira viagem é a preparação.
E foi pensando nessas dúvidas (que eu também tive, é claro) que criei um manual de sobrevivência para quem vai ingressar nessa viagem e não quer entrar numa barca furada…

Como se preparar bem para um cruzeiro?

Compare pacotes e companhias

Há muitas companhias de cruzeiro no mercado, mas o ideal é comprar um pacote de uma que seja conceituada. Eu sempre consulto o excelente site Cruise Critic (em Inglês), que traz não só a descrição dos navios de diversas empresas, como também apresenta resenhas de passageiros sobre os serviços oferecidos, destinos, portos de embarque etc.

A consulta é fundamental na fase de comparação, a fim de escolher a empresa e destino que mais se adequam às suas expectativas e assim evitar surpresas desagradáveis. Há companhias e roteiros que são mais indicadas para um determinado tipo de perfil. É essencial que você estabeleça o que será mais relevante para o seu gosto e conceito de diversão, antes de tomar a decisão final.

Além disso, é preciso filtrar bem os comentários dos passageiros, pois nem sempre o que incomodou alguém, incomodará você. Da mesma forma que algo que tenha agradado a alguém, seja garantia de que irá lhe satisfazer, também. Novamente: tudo é uma questão de gosto pessoal. Por exemplo, se eu vou fazer uma viagem a dois, não me interessa muito a resenha de uma família que viajou com crianças pequenas.

Várias companhias oferecem praticamente o mesmo tipo de itinerário em determinadas épocas do ano. Muitas vezes. com saídas no mesmo dia e do mesmo porto. Nessa hora, o que poderá prevalecer são as dicas de quem já foi, os preços e as condições.

Sugestão: escolhido o roteiro e a data, confira os sites de outras companhias para ver se há uma opção parecida que seja melhor para você.

Escolha o destino

Obviamente que a escolha do destino depende de vários fatores. Procurarei não levar em consideração razões financeiras ou de disponibilidade de tempo. O importante é ter em mente o que se deseja conhecer.
Há portos que não oferecem tanta coisa interessante assim. Alguns são, na minha opinião, pontos estratégicos de parada para embarque de passageiros ou apenas para  reabastecimento do navio.
Assim, escolhido o destino, cheque as cidades onde o navio atracará para confirmar se a escolha vale a pena.

Talvez por ter sido o primeiro, talvez pela magia de Veneza , pela beleza das Ilhas Gregas… mas, continua no topo da minha lista de favoritos…

Atente também para o seguinte detalhe: alguns portos oferecem tantas possibilidades de pontos turísticos que passar somente algumas horas por lá e ter que optar por apenas uma atividade pode ser bem frustrante.
Bons exemplos: Roma, Barcelona e Istambul. Acredite: já havia visitado cada uma delas antes de estarem incluídas em roteiros que fiz… impossível desfrutar com calma o que há de mais relevante nas poucas horas “em terra firme”. É preciso muita reflexão na hora da escolha do passeio a ser feito em determinados portos.

Planeje os gastos durante o cruzeiro

A única certeza que você terá ao comprar um pacote de cruzeiros, é que a despesa final não está sob seu controle, por mais controlado(a) que você seja. E eu não estou falando de gastos com compras, excursões ou cassino. Estou me referindo aos extras “obrigatórios” que você terá durante o cruzeiro.

O primeiro gasto compulsório é a taxa de serviços por dia e por pessoa, que vem incluída na sua fatura, no último dia. Trata-se da  “gorjeta” que será (teoricamente) dividida entre todos os funcionários do navio que lhe prestaram serviços no período (diretos ou não).

Além disso, as bebidas não estão incluídas nos pacotes. Seja nos jantares ou durante o dia. As únicas opções gratuitas são água, chá e café no restaurante do Buffet (aquele que fica aberto e com opções variadas quase que tempo integral), mas você tomará em copos e xícaras de plástico e se servirá direto das máquinas que lá ficam. Se quiser algo mais específico, tem que pagar à parte.

O que acaba sendo mais conveniente é comprar um pacote de bebidas all-inclusive ou um talão com uma determinada quantidade de tickets para economizar um pouco (há opção para água, cerveja, refrigerantes, vinho etc.).

Nunca fiz cruzeiro no Brasil, mas ouvi dizer que lá a opção de comprar pacotes de bebida all-inclusive não existe. Aqui na Europa, é possível optar pelos dois tipos que citei acima (pelo menos nas companhias com as quais viajei).

As excursões oferecidas pelo navio, normalmente, são bem caras. Você paga pela comodidade de ser levado até o ponto de interesse, assim como a escolha do idioma utilizado pelo guia e a segurança de ser trazido de volta para o navio a tempo da hora de zarpar. No entanto, o custo dessas vantagens é alto e, dependendo do porto, desnecessário. Falarei com mais detalhe sobre este tópico mais adiante.

Única excursão que paguei até hoje …e para ver a Acrópole em obras!

 

Programe as atrações que você vai visitar

Como mencionei anteriormente, alguns portos têm tanto a oferecer, que o melhor é você já sair de casa com “a lição de casa feita”. A última coisa que você vai querer dentro do navio é perder tempo no balcão de vendas das excursões se informando sobre as possibilidades. Você recebe previamente a lista do que será oferecido durante a estadia, mas no próprio site da empresa, você pode conferir de antemão as opções, os preços e a duração de cada excursão antes mesmo de embarcar.

Tempo é algo valioso no navio, você não vai querer desperdiçar nenhum minuto com isso. Eu já saio de casa com um roteirinho organizado do tipo: o que fazer, onde e como. Além de dicas para economizar tempo e dinheiro. Dá trabalho, mas vale a pena.

Uma parada em Istambul – MSC Preziosa (2014)

Decida o antes e o depois do cruzeiro

Mais uma vez, vou correr o risco de me meter onde não sou chamada, ou de citar o óbvio, mas parto do princípio de que toda dica é válida. Escolher o porto de embarque é fundamental. Algumas companhias oferecem para o mesmo roteiro e período vários portos de embarque (também conhecidos como “ports of call”).

Por que isto se faz tão essencial? Primeiro, porque pode haver muita diferença de facilidade de acesso entre eles. Segundo, se você já tem que chegar para o embarque, o ideal é que seja a melhor cidade de todas. Assim, você tem a opção de chegar uns dias antes ou esticar uma estadia depois, um ritual que tento seguir sempre que possível.

Barcelona: meu porto de partida favorito

O ideal é chegar com pelo menos um dia de antecedência e evitar possíveis contratempos (atrasos de voo, desvio de bagagem etc.).

No dia do embarque, procure ir com bastante antecedência para o porto. As empresas estabelecem um horário, mas quem chega antes acaba entrando no navio primeiro e já começa a aproveitar muito antes de chegar a hora de zarpar.

No dia do desembarque, não se iluda: você vai ter que deixar o navio tão logo ele chegue ao porto. O que pode acontecer é você ficar um pouco mais por uma questão de sequência de desembarque (que é caracterizada por cores).

Mesmo que você fique para o final, do momento em que a tripulação do navio recebe a autorização da alfândega local, você terá no mais tardar cerca de uma hora para deixar o navio. Esse é um procedimento necessário, pois a equipe precisa preparar o navio para a nova leva de passageiros que chega. A rotatividade é grande e diariamente centenas de pessoas entram e saem do navio.

É importante ressaltar que você já terá deixado a sua cabine algumas horas antes de o navio atracar. Normalmente, o procedimento de desembarque começa na noite anterior, quando você deve deixar sua bagagem no corredor por volta da meia-noite. E na manhã seguinte, você ainda poderá usar as áreas do navio (se tiver tempo e disposição), mas normalmente deve desocupar a cabine antes de 8:00.

 

Sugestão: mantenha uma pequena mala de mão com o essencial para esse período (pijama, itens de higiene etc.). E não se preocupe: você não precisará ficar carregando sua mala de mão pra lá e pra cá até finalmente desembarcar: há uma área reservada (e vigiada) para isso. Ainda assim, esse finalzinho é chato, pois você vê todo mundo que não vai desembarcar se divertindo, enquanto sua brincadeira já tem hora para acabar…

Capriche na mala

Já fiz sete cruzeiros e posso dizer que fui aprendendo com meus próprios erros. O primeiro deles: o exagero na hora de escolher o que levar. É bem verdade que você terá uma refeição no restaurante do navio por noite do cruzeiro (e com temas variados), mas é bem possível fazer uma mala mais enxuta.

Roupas para uso diurno

Se o cruzeiro for no verão, enquanto estiver no navio, você passará grande parte do dia com roupa de banho. Precisará de algo para colocar por cima quando for ao buffet e pronto. Não precisará levar toalha de praia ou canga, a menos que você faça questão.  Não há, também, necessidade de levar um biquíni para cada dia, por exemplo. Dois sets são suficientes: você usa um, enquanto o outro seca.

Nas saídas do navio, tudo o que você precisará são calçados confortáveis (tênis, de preferência), óculos de sol, boné, uma mochila ou bolsa leve, enfim, o básico para ficar confortável. Afinal, você terá muita coisa para ver em pouco tempo. Besteira ficar levando um monte de combinações possíveis. A chance é que você compre alguma coisa, pois cada porto tem uma característica e um comércio local próprios.

Roupas de uso noturno

Este quesito merece uma atenção um pouco maior, mas com o devido bom senso. Como mulheres costumam viajar “mais pesadas”, é preciso um pouco de planejamento para não lotar a mala e voltar para casa com várias peças que não foram usadas.

Há noites temáticas em todo cruzeiro. Normalmente, em um cruzeiro de uma semana, haverá a noite de gala (a famosa Noite do Capitão) e  pelo menos uma noite formal. Além disso,  pelo menos uma noite informal e outra casual. Não consigo distinguir as duas últimas, honestamente, mas nestes dias as pessoas ficam mesmo é à vontade.

Pode, ainda, haver a Noite Italiana (se for no Mediterrâneo a bordo de MSC ou Costa Cruise, por exemplo), a Noite do Branco, a Noite dos Anos 70, a Pool Party (festa na piscina)… enfim, criatividade não falta. O que você pode fazer é colocar algumas peças coringa na mala, que possam servir para diversos propósitos. Às vezes, acontece de aparecer a sugestão de uma flor no cabelo, mas um bom arranjo ou tiara resolvem. Cuidado: nem todo mundo adere à brincadeira, então, o ideal é não se empolgar tanto…

Em cruzeiro você vê de tudo: gente muito bem vestida, gente muito sem noção, gente arrumada demais, gente arrumada de menos… assim é a vida em terra firme, também. Entretanto, se você for como eu, vai querer passar por todas as situações de maneira adequada: “nem o oito, nem o oitenta”.

O jantar é sempre elegante, não importando o traje do dia. É servido com todas as etapas (entrada, primeiro e segundo pratos, o prato principal e a sobremesa). A mesa, sempre impecavelmente arrumada. Então, mesmo no dia casual ou informal, não é de bom tom aparecer de shorts ou bermudas. Acontece, mas destoa.

Se você é do tipo que não liga mesmo para o que os outros pensam, siga sua vontade. Nunca vi alguém ser barrado em uma situação como essas. Na noite de gala, entretanto, capriche, pois a maioria das pessoas o fará.

Uma dica: o salão de beleza do navio tem preços muito compatíveis aos cobrados em terra firme (pelo menos aqui na Europa) de modo que se você estiver precisando dar um Up no visual, aproveite o dia de gala, pois sempre há descontos.

Kit básico para as mulheres…

Você pode levar um vestido para cada noite, mas não precisa levar um sapato e bolsa para cada noite, também. Faça combinações que possibilitem inúmeros arranjos.
Eu já consigo levar somente dois pares de sapatos – um alto, para o jantar; e outro mais baixo, para a balada que vem depois. Escolha a cor certa e não tem o que errar. E você ainda deixa espaço para alguma aquisição de última hora.

Bolsa também: máximo duas para a noite e uma para o dia. Se planeja ir à praia, leve uma que também possa ser usada em outra situação, tipo shopper.
Quer variar? Aposte nos acessórios, como colares, lenços, echarpes, que ocupam pouco espaço na bagagem e proporcionam inúmeros looks.

Clube da Luluzinha em ação!

Aqui eu resolvi compartilhar com você a minha mala ideal. Claro que cada mulher tem seu gosto, mas é uma boa referência para ver como levar o básico sem comprometer as combinações…

E fazer bonito no navio!

Kit básico para os homens…

Vou pular a indumentária diurna, que todo mundo sabe qual será: o mais casual e confortável possível.

Para a noite de gala ou formal:

Um terno completo, duas ou três gravatas (para poder variar), um blazer (ou pode usar o paletó do terno com uma calça menos formal) e duas ou três camisas de gola  são mais do que suficientes. Você não vai suar com ar-condicionado central.

 Você vai querer uma foto assim para seu álbum de família!
Para as noites informais, casuais ou para as baladas, você provavelmente vai vestir algo mais descontraído. Não há regras rígidas, mas procure deixar as bermudas para passeios diurnos.

Tudo pronto? Podemos embarcar?

Será que a fase da preparação para por aqui? Acho que não… Neste post, tentei abordar as dúvidas iniciais, pensando nas dificuldades e descobertas do meu debut em cruzeiros. De lá pra cá, fiz pelo menos um por ano e a cada vez, mesmo já sabendo o que esperar, acabo descobrindo alguma coisa que pode ser aprimorada para o próximo embarque.

2 thoughts on “Guia de cruzeiros para marinheiros de primeira viagem”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *